O que é Reflexoterapia?

A Reflexoterapia também conhecida como terapias por zonas. O método dos reflexos chegou ao Oriente vindo da China, e é possível que sua prática coincidam com a da acupuntura.

 

Esta técnica de massagem reflexa submetidos adquadamente ao toque, produzem resultados insuperáveis. Para realizar este tipo de massagem utiliza as mãos, aplicando-as nos pontos reflexos do pés, mãos, rosto, orelhas e coluna vertebral que estão vinculadas a todas as partes do corpo, incluindo os órgãos e vísceras.

 

A intensidade do  incômodo varia  segundo a  gravidade da

doença e o êxito do tratamento consiste em liberar a tensão, estimulando assim o  fornecimento  de sangue aos estímulos nervosos.

Fonte: Internet

Na Reflexologia ocorre a dissolução e a dispersão de cristais depositados nos pontos de reflexos que interferem na circulação sangüínea produzindo congestionamento. Há um impulso elétrico liberado pelo toque de pressão sobre os pontos do reflexo e também um fluxo de energia sutil que produz o retorno da vitalidade, variando com a sensibilidade do indivíduo. O impulso elétrico atua sobre o corpo do mesmo modo que o estímulo luminoso atua sobre a retina do olho, onde se encontram as terminações do nervo óptico, produzindo um estímulo elétrico que é transportado pelo hipotálamo, onde passa para a glândula pituitária que se relaciona com as glândulas menores, ativando assim, todas as funções do corpo.

 

As principais áreas reflexas trabalhadas são: as mãos (reflexo palmar); os pés (reflexo podal); as orelhas (reflexo auricular); a coluna (reflexo vertebral); a face (reflexo facial); e o crânio (reflexo cranial); e separadamente reflexos da boca, dentes e nariz.

Na coluna vertebral

A técnica das percussões da coluna vertebral consiste em efetuar suaves golpes (percussões) com o dedo médio fletido, atingindo áreas sobre a apófise espinal de vértebras escolhidas (e/ou nas regiões inter e paravertebrais) com a polpa do dedo médio, estando a unha cortada o mais rente possível. Alguns autores também propõem a estimulação elétrica das mesmas áreas com corrente elétrica sinusoidal.

Nos pés

Os praticantes desta técnica (podoreflexoterapia) acreditam que existem pontos nos pés que refletem a situação da saúde do corpo humano por inteiro. Por isto, estimulam-se estas áreas para aliviar dores, distúrbios orgânicos, emocionais (leves) e de várias partes do corpo, gerando, assim, um grande equilíbrio corporal, da maneira mais simples possível.

Sir William Osler (12 de Julho, 1849 – 29 de Dezembro, 1919), médico canadense, sendo um dos ícones da medicina moderna, chamado por vezes de "pai" dela, era um conhecedor e defensor da reflexologia podal, tendo, um dia, afirmado que: "Quando os nervos dos olhos e dos pés forem corretamente entendidos, haverá menos necessidade de intervenções cirúrgicas".

Áreas reflexas das mãos segundo o Himalayan Yoga Center Yerevan

O mesmo princípio se aplicaria às mãos. Nas mãos e nos pés, a região mais próxima à ponta dos dedos corresponderia à cabeça e a região mais próxima ao pulso e ao tornozelo à região do quadril. Observe-se que recentemente vem se desenvolvendo um sistema equivalente à acupuntura, com aplicações de agulhas na mão (Korio Soo-Ji-Chim). Atribui-se sua origem ao coreano Tae Woo Yoo em 1975.

Nas orelhas

A auriculopuntura é uma da técnicas de estimulação, de origem chinesa, para a qual se tem testado hipóteses quanto ao seu mecanismo de ação através da reflexologia, especialmente por conexões anatômicas, já identificadas, do pavilhão auricular com o sistema nervoso autônomo - SNA, (ver ilustração). Observe-se porém que somente a presença das referidas conexões nervosas não são condição suficiente para uma explicação de seu efeito terapêutico. Requer-se ainda experimentos do tipo duplo-cego avaliando-se modificações autonômicas e/ou clínicas comparando esta estimulação com outras formas de modificação do SNA, e que também ainda não existe um consenso quanto aos pontos auriculares e seus efeitos. A auriculoacupuntura, portanto é uma possibilidade terapêutica que se fundamenta na medicina tradicional chinesa e experiências empíricas com poucos resultados publicados.

 

No entanto, existem alguns cuidados essenciais que o terapeuta deverá lembrar-se sempre ao usar a Reflexologia:
• Os pés dos bebês e crianças pequenas são mais sensíveis ao reflexo do que os adultos, os quais deverão ser tratados de acordo com esse princípio.
• Os casos de problemas cardíacos crônicos devem ser tratados com cuidado no reflexo do coração até que a condição de todo o corpo do paciente tenha respondido ao tratamento e o tônus muscular haja melhorado pelo trabalho contínuo sobre os reflexos das glândulas supra-renais e outras glândulas endócrinas.
• O paciente que apresente um quadro de trombose não deverá ser submetido ao tratamento de Reflexologia, salvo em casos em que o terapeuta tenha absoluto controle da técnica e conhecimento físico-patológico específico.
• É necessário produzir uma pressão suficiente para poder obter resultados, pois força em demasia, durante um longo período de tempo, perturba o funcionamento, podendo causar problemas ao órgão tratado.
• O tratamento adequado é de meia-hora. Deve-se prestar atenção aos reflexos doloridos.
• Deve-se ter também atenção na textura e sensibilidade dos pés, pois variam de um indivíduo para outro. Uma pessoa muito tensa tenderá com freqüência a ter um tipo de pé mais delgado e responderá com maior rapidez à pressão sobre os reflexos mais profundos.
• Necessitamos estar sempre alertas, responsáveis e prontos para pensar e decidir o que é melhor para cada indivíduo.

 

O tempo de duração do tratamento é importante, para que não seja excessivo, mas também que não seja incompleto. No primeiro tratamento, o tempo deverá ser de aproximadamente 20 minutos. Se houver alguma reação, o paciente deverá notá-la. Geralmente, o paciente se sentirá cansado no dia seguinte, porque o corpo foi estimulado para se aumentar a corrente sangüínea. No segundo tratamento o tempo poderá ser estendido até 30 minutos (15 minutos em cada pé). Deverá ser comprovado cada reflexo, e nos que estão muito sensíveis, o terapeuta deverá ater-se por mais tempo. Gradualmente as dores serão menores e se poderá passar para a outros pontos. Sempre que possível, deve-se realizar um exercício final de relaxamento, que consiste em pressionar o reflexo de plexo solar e mover os pés ao uníssono com a respiração lenta do paciente.

 

As Glândulas

Por que se estuda tanto sobre as glândulas e os órgãos do corpo e tão pouco sobre o esqueleto?
Nenhuma parte do corpo humano pode sobreviver como uma parte viva sem o sangue que é levado em direção ao osso através das aberturas glutitivas para alimentar o tecido reticular. As glândulas dependem do fornecimento de sangue, e o mesmo depende do correto funcionamento das mesmas: assim, são os complexos processos que se produzem dentro do organismo. O sistema glandular tem muitíssima importância. As secreções produzidas pelas glândulas são muitas, variadas e essenciais para a vida. Embora algumas delas sejam, ainda hoje, pouco conhecidas.

Glândula Pituitária

A pituitária ocupa o primeiro lugar entre as glândulas e controla todo o sistema glandular. É a primeira célula que se forma na concepção. Por esta razão se chama glândula mestra. Está situada no centro da cabeça e na base do cérebro, na depressão do osso esfenóide. O tamanho da glândula é de uma ervilha, e está dividido em dois lóbulos, cada um dos quais segrega hormônios com funções diferentes. Está sombreada pelo hipotálamo, através do qual são controladas as secreções da pituitária.

      Glândula Tireóide

A tireóide é controlada pela pituitária. À sua vez, a tireóide controla as glândulas menores e é responsável pelo crescimento, pela energia e pelo pensamento claro. Tem também um estreito vínculo com os órgãos reprodutores.

Glândula Paratireóide

São pequenas glândulas endócrinas que controlam a distribuição do cálcio do corpo. São 4 glândulas situadas na parte posterior da tireóide. O PTH, hormônio produzido pela glândula paratireóide, regula a contenção de cálcio no corpo e sua distribuição aos diversos órgãos. Se estas glândulas adoecerem e ficarem incapazes de funcionar, os ossos amoleceriam e poderiam romperem-se. Se a paratireóide for eliminada durante uma operação de tireóide iria se produzir um espasmo de tétanos que poderia ser fatal se não tratado imediatamente. O desequilíbrio da paratireóide é responsável, em grande parte, pela incidência da artrite.

Pâncreas

É a glândula que está sobre a linha central do corpo e segrega enzimas para a digestão do conteúdo do intestino delgado. Também produz um hormônio, a insulina nas ilhotas de Langerhans. Se este hormônio deixar de ser produzido o organismo irá desenvolver a diabetes mellitus, que é o nome dado a diabetes de açúcar.

Glândulas Supra- Renais

São as glândulas situadas sobre os rins que segregam a adrenalina da medula supra-renal. A parte externa da supra-renal produz o cortisol. As secreções glandulares são responsáveis pelo tônus muscular, energia e crescimento.

Gônadas

Os testículos masculinos produzem sêmen e segregam hormônios que promovem o crescimento e o desenvolvimento sexual secundário. Os ovários femininos produzem óvulos e segregam hormônios que controlam o desenvolvimento sexual e o estrógeno, regulando, assim, o ciclo menstrual.

O que é Workshop

OS CINCO NÍVEIS DE SAÚDE

O que é Workshop

ZODÍACO CHINÊS

O que é Workshop

FAMILIOGRAMA

O que é Workshop

NOVAS CONEXÕES MENTAIS

Agende  um  horário

 

Cel./whatsapp  (61) 98232 - 2020

Brasília DF

 

          E-mail: